PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Novembro de 2018 | Ver mais
D S T Q Q S S
# # # # 1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 #

Notícia | mais notícias

OAB-MT requer suspensão da obrigatoriedade do uso do PJe na Justiça de MT

22/06/2018 17:18 | Sistema Eletrônico
Foto da Notícia: OAB-MT requer suspensão da obrigatoriedade do uso do PJe na Justiça de MT
    Em virtude das constantes falhas de acesso, erros de protocolo e lentidão registrados no Processo Judicial Eletrônico (PJe) na Justiça Estadual, a Ordem dos Advogados do Brasil – Seccional Mato Grosso (OAB-MT) requereu ao Tribunal de Justiça (TJMT) a suspensão imediata do uso obrigatório do sistema nos juízos de primeiro e segundo graus, até que apresente condições de operacionalização, para que não provoque o perecimento de direitos.

    O requerimento foi protocolado na última quarta-feira (20), sob redação da Comissão de Direito Eletrônico (Codel) da OAB-MT, diante das reclamações unânimes da advocacia de Mato Grosso.

    Desde o início de junho, quando as falhas de funcionamento se tornaram crônicas no Estado, a OAB-MT vem mantendo contato com o Tribunal de Justiça para cobrar explicações sobre as avarias no sistema e providências que garantissem o restabelecimento do PJe nas comarcas nas quais está implantado.  

    No último dia 13, o presidente da Codel, Gonçalo Adão, reuniu-se com o presidente do Comitê Gestor do PJe, o juiz auxiliar da Presidência do TJMT, João Thiago Guerra, que informou que, nos últimos três meses, triplicou o número de acessos à ferramentea em função das novas comarcas ou entrâncias em que o PJe foi implantado, além da utilização nos Núcleos de Práticas Jurídicas nas faculdades e universidades.

    "Contudo, pontuou que as falhas ocorridas recentemente não estão atreladas a isso, pois o Tribunal tem campacidade de infraestrutura de sobra pra isso. Mas, decorrentes de um grande volume de requisições/solicitações em curto espaço de tempo, feitas pela Procuradoria Geral do Estado, o Ministério Público Estadual e, ainda, por programas de controle e acompanhamentos processuais", acrescentou.

    Porém, na última sexta-feira (15), diante das reiteradas reclamações da advocacia, a OAB-MT protocolou novo pedido para que, dessa vez, fossem suspensos os prazos judiciais no PJe no período de 11 a 15 de junho, justamente pela falta de resolutividade dos problemas.

    “Acontece que chegamos a uma situação caótica no acesso à justiça. Discutimos isso no Colégio de Presidentes e, consta da Carta produzida em Diamantino, que se faz necessária a suspensão da obrigatoriedade do uso do PJe no Estado até que o sistema apresente condições de operacionalização plena, pois o que está acontecendo é o perecimento de direito.  O PJe é um caminho sem volta e a Ordem apoia a implantação do processo eletrônico. Porém, ele precisa ser inclusivo e não excludente do acesso à justiça como tem sido hoje. Como disse Lamachia, a advocacia precisa fazer faculdade de informática para operar esses sistemas”, reforçou o presidente da OAB-MT, Leonardo Campos.

    No requerimento, a Ordem deixou claro que reconhece os esforços do TJMT para a solução definitiva da situação, “porém, a advocacia e o jurisdicionado encontram-se – diante das regulares inconsistências do sistema – com extrema dificuldade de acesso à justiça”, finalizou.

   
 
 
Assessoria de Imprensa OAB-MT
imprensaoabmt@gmail.com
(65) 3613-0929
www.twitter.com.br/oabmt
www.facebook.com.br/oabmatogrosso
 

Facebook Facebook Messenger Google+ LinkedIn Telegram Twitter WhatsApp