PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Novembro de 2022 | Ver mais
D S T Q Q S S
# # 1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 # # #

Artigo | mais artigos

A (má) influência da mídia na sociedade

Data: 11/11/2022 14:50

Autor: José Ricardo Costa Marques Corbelino

imgAtualmente a mídia se faz cada vez mais presente em nosso cotidiano, tornando-se um verdadeiro instrumento de manipulação social e dominação cultural. As informações recebidas pelas mais diferentes mídias, principalmente pela televisão, exercem forte influência nos hábitos e costumes da população com grande poder de manipulação, ditando regras de conduta e de consumo, constituindo-se num importante veículo de transmissão de informação e de formação de opinião, pois sabe-se que o seu grande papel não é apenas noticiar um novo produto, mas fazê-lo uma nova necessidade.
 
Temos, portanto, que a função dos meios é influenciar os receptores, e essa influência pode ser maior se o receptor não dispuser da totalidade das ferramentas para sua análise.
 
Não é de hoje que vemos e sabemos da força que a mídia possui, e isso fica mais nítido quando por meio de toda essa força ela passa a inculcar nas pessoas uma ideia ou mesmo um ponto de vista já formado sobre determinado assunto. E note que quando fazemos referência à mídia, estamos na verdade nos referindo à todas as suas formas de veiculação, seja ela falada, escrita, televisada e até aquela feita pelos meios virtuais e outros meios que sejam possíveis.
 
Não se recusa que a mídia possua relevância impar para a manutenção de uma democracia, entretanto, isso não significa que às custas deste argumento ela possa manipular, ainda que de forma velada, tudo aquilo que é veiculado a fim de movimentar a massa social num determinado caminho.
 
É também notório que a mídia possui grande influência na vida das pessoas, sendo que, pode ser tanto positiva quanto negativa. O importante é que tenhamos a consciência de saber diferenciar ambas as coisas, para que assim, não criemos prejulgamentos, que muitas vezes não coincidem com a realidade.
 
Nesse aspecto, crianças, jovens, adolescentes e adultos estão interligadas a um ciclo muitas vezes vicioso, onde tudo o que sabem sobre os acontecimentos do Brasil e do mundo são adquiridos pelos repasses das redes de comunicação. O grande problema é acreditar em tudo o que escutamos, sem procurar se em outras fontes a informação é repassada da mesma maneira. Não julgando a maior rede de comunicações do país, pois a mesma possui profissionais eficientes, mas, é evidente que a manipulação existe, maquiando antes de divulgar para a sociedade. A questão que fica é o por quê?!
 
No Brasil vê-se muito a relação da sociedade com a mídia que lhe é de alcance, a proximidade e facilidade com o meio televisivo e da internet torna cada vez mais fácil a transmissão de notícias “montadas ou falsas”, com a facilidade e alcance da sociedade com a informação se espalha rapidamente e em pouco tempo chega a um público muito grande sem chance de a informação ser cortada e corrigida a tempo de não influenciar quem viu a notícia falsa.
 
Muitas vezes a mídia televisiva por ser apoiada por determinado grupo político, influencia em seus noticiários ao telespectador pensar de igual forma que eles pensam.
 
A não “imparcialidade” das notícias são claras e torna o publico refém de notícia e informação, não havendo chance de formar seu próprio conceito sobre quaisquer outros pensamentos que não seja o transmitido pela mídia.
 
A liberdade de imprensa é um instrumento de democracia, podendo com ele conter abusos de autoridades públicas, a muito tempo vem sendo o principal motivo que a sociedade cobrava em seus direitos fundamentais para então conseguirem se defender contra eles. As opiniões se divergiam muitas vezes e a imprensa precisa sempre se informar, quando é publicado uma corrente única de opinião se torna vazio o conteúdo.
 
Mas atualmente percebe-se facilmente que a situação se inverteu, a imprensa está formada por opiniões únicas para alavancar assim tanto progressos para si, quanto instabilidade em um país. Deve sempre tratar-se com muita diligência quais são as responsabilidades e obrigações que a imprensa deve ter.
 
Rui Barbosa, em brilhante passagem, afirmou que: “A imprensa é a vista da nação. Por ela é que a Nação acompanha o que lhe passa ao perto e ao longe, enxerga o que lhe malfazem, devassa o que lhe ocultam e tramam, colhe o que lhe sonegam, ou roubam, percebe onde lhe alvejam, ou nodoam, mede o que lhe cerceiam, ou destroem, vela pelo que lhe interessa, e se acautela do que a ameaça. (…) Um país de imprensa degenerada ou degenerescente é, portanto, um país cego e um país miasmado, um país de ideias falsas e sentimentos pervertidos, um país que, explorado na sua consciência, não poderá lutar com os vícios, que lhe exploram as instituições”.
 
A OAB estará sempre presente em prol da sociedade no combate à desinformação.
 
* José Ricardo Costa Marques Corbelino é advogado em Cuiabá e membro da ABRACRIM.
WhatsApp