PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Fevereiro de 2023 | Ver mais
D S T Q Q S S
# # # 1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 # # # #

Artigo | mais artigos

Nenhuma a menos, todas as vezes

Data: 19/01/2023 15:40

Autor: Glaucia Amaral

imgE todas as vezes, temos visto uma mulher a menos, uma amiga, uma irmã, uma mãe, uma pessoa inocente a menos. 
 
Nenhuma a menos é uma frase que movimentos pelos direitos das mulheres utilizam para simbolizar o que não podemos admitir: a perda de uma mulher para a violência. 
 
Para simbolizar que nós estamos atentas umas às outras, como companheiras, sucetíveis ao menos tipo de crimes e discriminações.
 
Mas temos muitas a menos. Perdemos muitas para o feminicídio e tantos outros males que atingem as mulheres como grupo social. 
 
Mas já passou da hora da outra metade da humanidade se conscientizar, e vir para o lado de quem exige nenhuma a menos. 
 
A modificação estrutural só ocorrerá com o engajamento de toda a sociedade. Especialmente os homens, cuja principal missão hoje é a de refletir acerca do que seja, para ele mesmo, a sua masculinidade. 
 
Não sou partidária do termo masculinidade tóxica. Muito embora ela exista, no abuso, na violência, no preconceito, no menosprezo da capacidade feminina…. Sentimentos e situações que levam à despersoniificação das mulheres que com ele convivem, ferindo, muitas vezes à ponto de matar.
 
Sou partidária de que os homens - especialmente os que se propõem à uma nova e melhor convivência com as mulheres, reflitam sobre si mesmos. A ponto de detectarem se não vinculam a fidelidade de suas parceiras (por exemplo) à sua essência de ser homem (como boa parte dos feminicidas). Que reflitam sobre si mesmos, para verificarem se não vinculam a ideia de sentirem-se menos homens, em caso de fim de relacionamento, se têm capacidade de perceber que sua vida continua integra, mesmo que sua mulher desejar o fim. 
 
Para tanto, devemos incentivar a existência dos grupos reflexivos, de homens, para que entre si reflitam e se tornem independentes de preconceitos herdados. Tarefa para o Poder Público que já vem pondo em prática no Poder Judiciário  e aqui em Mato Grosso na PM, é tarefa para as empresas, que podem ganhar muito com o fim do assédio e em produtividade, num ambiente mais saudável. 
 
A cada uma mulher vítima de feminicídio, observo pessoas consternadas, mas muitas ainda em negação do termo, e da óbvia repetição das mesmas características do crime. 
 
Sem conscientização não haverá mudança. 
 
Observo o Poder Judiciário e o Poder Executivo, por meio da segurança pública e assistência social, discutindo, aperfeiçoando e modificando cada fase de atendimento após a denúncia. Isso é necessário. Mas é preciso atacar a raiz cultural. 
 
Esse crime se baseia em preconceito histórico quanto aos papéis de homem e mulher. Atinge ricos e pobres. Cultos e sem conhecimento formal. Perpassa religiões, indiferente à cor. 
 
E destrói famílias. Lutamos para socorrer os órfãos do feminicídio. 
 
É preciso nos comprometer em atacar a causa. 
 
Nenhuma a menos. 
 
Mas só ontem em Mato Grosso, foram duas mulheres a menos.
 
* Glaucia Amaral é presidente da Comissão da Mulher Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil - Seccional Mato Grosso (OAB-MT)
WhatsApp